28 fevereiro 2011

Um ano atrás...

E o ano passado nesta época eu estava assim...
quando nos casamos em Sant Cugat, depois de mais de um ano casados no Brasil, numa cerimônia linda e inesquecível com nossas famílias e amigos.
E hoje somos três preparando as malas para mais uma aventura no Brasil!!!

27 fevereiro 2011

Bebês sentem saudades?

Devo confessar que ando meio ansiosa e apreensiva com toda essa história da viagem pro Rio. Já faz um tempão que o Rémi e eu estamos planejando uns dias a sós para descansar, dormir até tarde, ir ao cinema, restaurante, etc, etc, etc...


Semana que vem viajamos para o Brasil, ficamos três dias nos meus pais em SP e depois viajamos para o Rio só nós dois, sem nosso little man que ficará com os avós e a tia He em SP. Eles estão pra lá de contentes de cuidar do Max enquanto curtimos um merecido break de carnaval na cidade maravilhosa. Na real, o que me preocupa disso tudo, não é se o Max ficará bem com os meus pais (tenho certeza de sobra que sim!) mas tenho uma dúvida cruel na minha cabeça: será que ele vai sofrer de saudades? Será que vai ficar traumatizado pensando que os papais não voltam mais?


Parece melodramático, mas nosso little man nunca ficou longe de nós dois juntos por mais de uma tarde. Sempre estávamos ou eu ou o papai por perto. Minha querida amiga Yasmina me consolou com suas idéias e teorias mirabolantes dizendo -Vane, os bebês não têm noção do tempo. Eles não sabem diferenciar 4 horas de 4 dias. Então fiquei pensando e achei que sua teoria tinha fundamento, e fiquei me sentindo bem melhor. Até que falei com o maridão que jogou a teoria da Yas no chão e pisou em cima... - Vane, claro que o Max vai sentir saudades da gente, é normal! Você tem cada uma!


Arghhh!!! E eu que já estava toda conformada, me senti em pedaços. Vou traumatizar meu filho pro resto da vida, que faço? Fui lá no Google, claro, procurar em todos os idiomas possíveis, com todas as palavras chave e combinações imagináveis: bebê saudades, bebê+noção de tempo, papais+férias sem bebê, trauma+bebê+saudades, etc... Encontrei coisas legais, tipo este post da Adriana, este artigo da revista Crescer mas que fala só de crianças a partir de 3 anos, e este artigo da Smart Parenting que é muito bom e recomendo. Todo mundo fala de crianças, nunce de bebês... acho que esse assunto só preocupa essa pessoazinha que os escreve viu?


Segundo a Smart Parenting, até os dois aninhos os bebês somente reconhecem o dia e a noite, mas ainda não têm noção de tempo, dias, etc... Ou seja, minha amiga Yasmina estava correta, mas o Rémi também porque isso não significa que nosso little man não sinta saudades, estranhe o novo ambiente e fique triste... 


Você já passou por isso? Já viajaram os dois e deixaram o bebê com os avós uma semana? Help!

25 fevereiro 2011

Fevereiro no vermelho e o mês nem acabou ainda

Não sei muito bem como foi que isso aconteceu, já que o mês de fevereiro é mais curto e teóricamente deveríamos estar com mais dinheiro na conta conjunta, não menos.


Desde que nos casamos, o Rémi e eu decidimos abrir uma conta conjunta e o trato é que no terceiro dia do mês cada um deposita sua parte da contribuição mensal. Como ganhamos salários bem diferentes, fizemos as contas na ponta do lápis para saber quanto era o total de gastos da casa no final do mês (uma média aproximada, claro!) e quanto deveria ser a porcentagem de contribuição de cada um. E funciona super bem. 


Me explico:


Gastos da casa
Supermercado 
Diarista
Gastos com transporte
Passagem de trem
Gasolina
Pedágio
Gastos do Max
Escolinha
Plano de Saúde
Roupas
Remédios
Vários
Gastos ócio
Cinema, restaurantes, etc.
Gastos com viagens
Passagens, hotel, etc
Extras
15% do total aprox.


E a fórmula é fácil (e tinha que ser fácil porque sou um zero à esquerda em matemática).


Baseado no salário de cada um de nós, depositamos uma porcentagem da soma total dos gastos acima, que lá em casa corresponde a 42% para mim e 58% para o Rémi. O trato é que este valor não pode superar os dois terços do salário total de cada um.


O legal é que raramente necessito usar meu cartão de crédito pessoal, somente para sair com amigas, comprar roupas, ir no salão, etc... o resto pago com a conta conjunta. Dessa maneira fica bem mais fácil economizar e cuidar para não gastar mais do que devia.


Voltando à minha história, este mês foi um descontrole total e acabamos ficando no vermelho!!! Queria muito usar o Mint.com para poder gerenciar nossos gastos com todos aqueles gráficos maravilhosos deles, mas o serviço não está disponível na Espanha ainda. Infelizmente não conheço outro serviço, vou pesquisar, mas por enquanto será no excel mesmo. Decidi que preciso entender onde vai o dim dim, principalmente agora que queremos comprar uma casa.



Alguma sugestão? Como vocês gerenciam e controlam o gastos da casa desde que se tornaram mamães?

24 fevereiro 2011

Preparativos viagem parte 2 - palestra na PUC

Estou bem doidinha essa semana. Entre os preparativos da viagem, as reuniões e últimos detalhes para lançamento das campanhas de Dia da Mulher lá na agência e os dois encontrinhos de mamães blogueiras em CWB e SP, acabou surgindo uma outra oportunidade maravilhosa e irrecusável - dar uma palestra para o curso de pós-graduação em Comunicação Empresarial da PUC PR sobre o 'Comunicador nas Mídias Sociais'.


Fiquei muito feliz com o convite já que fui aluna de Jornalismo da PUC e voltar agora para dar uma aula é uma experiência incrível e nova.


Ou seja, esta semana estou correndo como uma louca para preparar os slides da palestra e organizar os últimos detalhes já que semana que vem viajamos.


Ufa, espero dar conta de tudo gente... tanta coisa legal e tudo ao mesmo tempo. Já dizia Rauzito - pare o mundo que eu quero descer!

23 fevereiro 2011

Joy Division by Playmobil

E quem foi que disse que Playmobil só está feito para construir fazendinha e helicóptero de polícia? Olha só que legal esse video clip de 'Transmission' do Joy Division, todo produzido com os pequenos homenzinhos de plástico...


(obrigada pela dica Van)

22 fevereiro 2011

Encontrinho mamães blogueiras em SP e CWB

Oi meninas,


Estarei no Brasil em março e gostaria de organizar um encontrinho de mamães blogueiras. Eu criei dois eventos no Facebook, um para Curitiba e outro para São Paulo.


Entrem lá e confirmem caso queiram participar (quem nao tiver Facebook pode deixar um comentário aqui no blog):


Curitiba
Quando: Sexta-feira dia 18 de março às 15:00 
Onde: Atelier do O Tecido e a Estampa (rua São Francisco 123, Curitiba)


São Paulo
Quando: Sexta-feira dia 25 de março às 14:30h
Onde: Bread & Co (Rua Lourenço de Almeida, 470 - Moema)


Para as blogueiras que queiram fazer give away ou demonstração de produtos, por favor me avisem assim posso anunciar aqui e no Facebook.


♥ Espero vocês por lá ♥


ps. caso o horario da manhã não seja conveniente, por favor me avisem assim posso ajustar para que a maioria das mamães possam participar. Não estou acostumada à rotina da mamãe brasileira... Já vi que manhã não rola com mamães brasileiras hehehe.


Lista confirmadas:


Curitiba
Eu - Coisas Minhas
Fer Ávila - Nina e Lili e Curitibinha
Ale - Conversa pra Mae (fotógrafa e vai registrar nosso encontrinho :-))
Dani - Vida de Neném
Au - Terra Vermelha
Dea - O Tecido e a Estampa (vai dar uma demonstracao de como usar o Sling de maneira segura)

Mariana - Mariana Mãe de Primeira Viagem


São Paulo
Eu - Coisas Minhas
Fê - Mamma Mini
Sarah - Mãe do Bento
Pri - Mãe de Duas
Ilana - 1+1 são Três
Gabriela - Mami e Mimos
Aline - As voltas que eu dou pelo mundo


♥♥♥

Gente fina da melhor qualidade

Tive que escrever um post sobre o assunto. Na sexta saímos para bater perna em Barcelona, e acabamos perdendo a mantinha do Max. Fiquei super chateada porque era uma mantinha azul linda, tricotada à mão pela vovó Grite. 


No sábado de manhã, a caminho do trem, adivinhem o que encontramos pendurado na grade de uma casa? A nossa mantinha linda!


Ficamos tão felizes! É tão bom saber que existe gente boa espalhada por aí né? Achei que merecia um post aqui no blog, com direito a fotinho do bilhete que o Rémi deixou no muro.

21 fevereiro 2011

Viajar de avião com um bebê - os preparativos

Falta muito pouco para nossa primeira viagem com nosso little man ao Brasil. Expectativas familiares à parte, ando meio nervosa com o trajeto de avião. Como ainda não existem vôos diretos de Barcelona a São Paulo (um passarinho me contou que a partir de março a Singapore Airlines voará direto) teremos que voar de Ibéria (arghhh!!!) até Madrid e trocar de avião. Ou seja, quase 11 horas de viagem no total e com um bebê de 11 meses. 


Vi uma série de posts bem legais no blog da Bettina, no blog da Ana, no da Luciana, mas mesmo com todos os conselhos maravilhosos ando meio insegura. Acho que no final das contas, cada experiência é única por mais que a gente se prepare.


Essa semana temos a revisão de um aninho do Max e quero aproveitar para perguntar ao pediatra se existe alguma fórmula mágica (se for homeopática melhor) para acalmar nosso guri caso a coisa fique preta. Preferia não ter que dar remédio, mas já escutei muita gente contar que deu Dramin ou chá de camomila... help, vocês conhecem alguma fórmula mágica e que seja natural? 

19 fevereiro 2011

Blogagem coletiva: licença maternidade na Espanha

Este texto de hoje faz parte de uma blogagem coletiva entre mães brasileiras residentes em diversos países. Cada uma de nós descreve sua relação com a licença maternidade no seu país de residência. Você pode conferir os links de cada uma no final do post.

Como funciona aqui na Espanha
Na União Européia (UE) o período de licença maternidade varia muito de um país ao outro. Na Suécia, por exemplo, é de 96 semanas, enquanto na Irlanda pode chegar a 26 semanas. Na Espanha o período de licença maternidade é de 16 semanas, quase o mínimo exigido pela UE, que é de 14. 

Na Espanha, a futura mamãe é quem decide como deseja distribuir sua licença maternidade, sendo obrigatório o descanso durante as seis semanas imediatamente posteriores ao parto. Ou seja, durante estas primeiras semanas a mamãe não pode desfrutar da licença maternidade por meio período, já que por lei é considerado um descanso obrigatório.

Depois de terminadas as 16 semanas, a mulher que retorna ao trabalho tem direito à uma hora ao dia de licença para amamentar o bebê (uma miséria, né?). O legal é que esta hora diária pode ser acumulada e utilizada como 15 dias adicionais de licença maternidade, totalizando assim 16 semanas mais 15 dias consecutivos.

Na Espanha, a mulher pode trabalhar até o momento do parto e a licença começa a contar a partir deste momento. Outras preferem parar de trabalhar uma ou duas semanas antes da data prevista do parto, mas muitas preferem trabalhar até o último dia para depoispoderem ficar com o bebê mais tempo.

Outro direito das mamães na Espanha é o da redução da jornada de trabalho para cuidar dos filhos menores de oito anos. O mínimo permitido é de 30% de redução até um máximo de 85% da jornada. Claro que o salário também é reduzido proporcionalmente.

Em outubro de 2010 o parlamento europeu aprovou a ampliação da licença maternidade para 20 semanas. Essa decisão causou muita polêmica entre os deputados e países. Outra mudança que tem dado muito que falar na Espanha é a possível ampliação da licença paternidade dos atuais 13 dias (consecutivos) para quatro semanas a partir de 2012.  

É claro que a lei possui muitas variações dependendo da situação familiar e laboral da futura mamãe e futuro papai (número de filhos, estado civil, assalariado, autônomo, desempregado, trabalhando, etc.) Se quiserem informação mais completa sobre o assunto, sugiro que visitem este link (em espanhol) ou a página da seguridad social.

Minha experiência pessoal
Lá na agência somos 25 pessoas, das quais três somos mamães e somente um é papai. Eu trabalhei até a semana 34 de gravidez e como me sentia muito cansada fui ao médico e ele me deu licença (que é remunerada quando o médico considera que você deve parar de trabalhar e descansar).
                                                                                                                                                                
Foi ideal, já que pude cuidar dos últimos preparativos, comprar coisas que faltavam, arrumar o quarto do bebê, preparar-me psicologicamente para o parto, curtir o barrigão e o mais importante de tudo, descansar muito.

Minha licença maternidade começou oficialmente no dia do parto e durou 16 semanas. Eu conversei com o RH da empresa e pedi 15 dias de aleitamento materno e mais uma semana de férias. Ou seja, no total foram quase cinco meses de descanso. Quando voltei a trabalhar era agosto. Como aqui na agência, durante os meses de verão, trabalhamos das 9 às 15, pude voltar à rotina gradualmente. Tive três semanas para me adaptar e deixar de amamentar aos poucos, nosso little man .

Meu marido teve 13 dias de licença paternidade, mas não recebeu 100% do salário já que ele trabalha como autônomo. O legal foi que como o Rémi trabalha em casa, curtimos minha licença juntos e aproveitamos muito estes dias em família.

Já cheguei a pensar em reduzir minha jornada de trabalho, mas por enquanto estamos conseguindo conciliar trabalho e vida familiar, então decidi continuar trabalhando período integral, principalmente porque nossos gastos aumentaram em uns 30% ao mês.

E para terminar, encontrei este vídeo da revista The Economist, com infografías super legais sobre a mulher e o mercado de trabalho em 113 países ao redor do mundo. O vídeo mostra dados interessantes, com gráficos bem atuais que ilustram a situação da licença maternidade nestes países.

Enjoy it e aproveitem para conhecer a realidade de outras mamães internacionais acessando os links abaixo.



Argentina - Carol: http://carolesuasbabybobeiras.blogspot.com/

Canadá - Ana Paula: http://www.coloridavida.com/

Estados Unidos - Paula: http://nywithkids.blogspot.com/

França- Carine: http://carrego-no-pano.com/

Holanda - Ingrid: http://familyaround.wordpress.com/

Inglaterra - Carol P: http://motherlovedatabase.blogspot.com/

Irlanda - Karine: http://www.kaentrenos.net/

Inglaterra - Claudia: http://filhos-bilingues.blogspot.com/

Irlanda - Nivea: http://www.niveasorensen.com/

Itália - Daniela: http://mamaesnaitalia.com/

Itália - Joice: http://www.avidadagravida.blogspot.com/

Mónaco - Roberta: http://betinhazinha.com/

Suiça - Carla: Who'd say? - http://whodsay.blogspot.com/

17 fevereiro 2011

Working Mom Cristina (Cris) Zanetti



A Cristina (Cris) Zanetti tem 35 anos, mora em São Paulo, é personal stylist da Oficina de Estilo e mãe da Estela, de 2 anos.


Blog   Flickr    Facebook

Conheci as meninas da Oficina de Estilo quando morava em Paris e escrevia uma coluna de moda para uma revista brasileira. Eu entrevistei a Cris e a Fer em 2005 e achei elas duas uma graça. Sou fãzoca do trabalho delas e segui muitos dos seus conselhos de estilo durante a gravidez.

Um dia normal na tua vida…
Haha! Eu não tenho rotina nenhuma, mas normalmente acordo com a Estela chamando, fico brincando com ela até a Kelly (a babá) chegar. Trabalho no escritório em casa, ou em reuniões ou com clientes fora de casa. Volto às 19h, que é quando a Kelly vai embora e fico com a Estela até a hora dela dormir. Nas quartas de manhã eu fico com a Estela, a Kelly só chega ao meio dia, e vou à praça com ela. Às quartas a Kelly dorme com a Estela e eu e meu marido aproveitamos pra sair, jantar fora, ir ao cinema, encontrar os amigos... Às quintas meu marido chega às 19h e coloca a Estela pra dormir assim consigo trabalhar até mais tarde.

Trabalhar e ser mãe é compatível?
Muito! É cansativo, mas é muito compatível!

No dia a dia, qual é o segredo para conseguir fazer tudo (ou quase tudo) que tem pra fazer?
Estar presente em cada coisa que se faz. Na hora de trabalhar não ficar preocupada com o que está acontecendo em casa e na hora que está na função de mãe não ficar se preocupando com o trabalho. Pra isso é muito importante confiar na “equipe” que se tem. Eu tenho uma babá maravilhosa e confio muito nela, então posso ficar sossegada enquanto não estou com a Estela. Também confio na minha mãe, no meu marido, nas minhas irmãs, na minha sogra... Não dá pra ficar neurótica, sabe!?! A gente tem que acreditar que está cercada por pessoas boas e que querem o bem do nosso tesouro, mesmo que algumas vezes essas pessoas não tomem exatamente a mesma atitude que a gente tomaria num determinado momento!

Nada disso seria possível sem...
Segurança na minha capacidade de ser mãe. Não me sinto culpada por sair pra trabalhar nem por um segundo. Quando estou com ela estou 100% com ela e ela já sabe desde pequena que eu amo o meu trabalho e que sou muito feliz fazendo o que faço!

E para recarregar a pilhas, o que você faz?
Durmo o máximo que consigo, tiro férias a dois quando posso e aproveito a minha quarta-feira com o meu marido.

Você é personal stylist de gente da vida real. No teu caso, teu estilo pessoal mudou desde que você se tornou mãe? Em que sentido?
Não é que mudou, continuo gostando das mesmas coisas que gostava, mas fiquei mais segura. Minha identidade visual ficou mais definida. Acho que depois que a gente vira mãe a gente não se liga mais tanto em inseguranças, fica tudo mais “preto no branco”, mais claro. Como se a gente não tivesse mais interesse no que não é muito importante. Isso refletiu no meu jeito de me vestir: ou gosto ou não gosto, ou é pra mim ou não é, simples assim!

Quando somos mães, costumamos pensar mais nos nossos pequenos que na gente. Acaba sobrando pouco tempo para se vestir, ir ao salão, academia, etc..., principalmente quando o bebê é pequeno. Que dica você daria para as mamães que trabalham e tem pouco tempo mas precisam estar bem vestidas?
Ter um guarda-roupa conciso, fácil de coordenar, que colabore com o nosso dia a dia em vez de confundir. Mas é muito importante arrumar um tempinho pra se cuidar, pra ficar bonita. Mãe com auto estima boa é a melhor coisa que podemos dar pros nossos filhos. Eu li uma vez uma frase que eu amo ”filhos não seguem nossos conselhos, filhos seguem nossos exemplos” e é isso que procuro fazer, ser um exemplo de mulher segura e bem amada!

Na tua opinião, qual é o maior desafio de ser mãe?
Criar um ser humano bom pro mundo. O filho não é nosso, é da nossa sociedade.

Um dia ideal para ti...
Todos! Não existe um ideal, existe o melhor que a gente pode fazer!

16 fevereiro 2011

Os Quindins

by Quindins
Estou super entusiasmada com a festa de um ano do nosso little man, não só porque ele completa um aninho de vida (wow! ja?), mas também porque a festinha será no meu querido Brasil, junto com a família e amigos queridos.


Para sua primeira festa escolhi o tema piratas! O que vocês acham?


E bisbilhotando a net encontrei esta loja fantástica, que claro, já está na minha listinha de 'must visit' quando estiver em SP. Chama-se Os Quindins, e fica lá na Vila Madalena. Eles trabalham com marcas super fofas e também vendem para fora do Brasil na lojinha virtual.


Olha só se não é um coup de coeur?





11 fevereiro 2011

O caminho até a escolinha

O final da nossa rua
Parque natural de Collserola ao fundo


Toda sexta-feira, saio lá da agência às 15:00h e volto voando pra casa, para poder buscar nosso little man na escolinha e curtir as últimas duas horas de sol de inverno no parque.


Hoje, ao chegar em casa, quase fiquei num mal humor danado porque o Rémi tinha saído de carro e eu tinha que esperar quase meia hora para poder ir buscar o Max. Quase porque tive a maravilhosa idéia de ir caminhando até lá. Fazia uma tarde fria de sol, com uma luz maravilhosa. Fiz umas fotos com meu iPhone para registrar o trajeto. 


Nessas horas é que me dou conta, de como nossa mudança da tumultuada e poluída Barcelona para a pacata Valldoreix foi uma das melhores coisas que fizemos...

They Draw & Cook book

Coookies by Peitro Duchi
Giovanis linguini
Potatoes by Tomasz Wawer
Uma web com receitas ilustradas por artistas de todo o mundo. Se você for ilustrador, designer, artista e quiser participar enviando teu trabalho, no futuro poderá ter tua receita publicada em um livro.


Também tem uma sessão só para as crianças chamada Kids Draw and Cook. Criançada, mãos à obra (ou seria, mão na massa?).



10 fevereiro 2011

Uniforme de mãe ou momentos desagradáveis



Quando deixamos de ser somente companheiras, filhas, amigas, tias, sobrinhas e passamos a ser mães, muitas coisas mudam na nossa vida. Nossa percepção do mundo, nossas expectativas, nossos desejos, nossa rotina. Uma coisa que eu ainda não tinha reparado e que mudou drasticamente na minha foi meu armário!

Que atire a primeira pedra a mãe que nunca passou por um aperto danado ao reparar, já no meio da rua, quando o bebê gritava de fome, que aquele vestidinho lindo de verão não era nada adaptado para... dar de mamar em público. Muito senta aqui, levanta ali, abaixa lá e depois de malabarismos mil acaba ficando com metade da bunda de fora, os dois peitos aparecendo, ou o pior, quase pelada.

Pois se você se identificou com alguma coisinha, ainda que mínima do causo citado (sim, o personagem em questão fui euzinha), não pense que essas aventuras do 'guarda-roupa de mãe de primeira viagem' acabam por aqui. 

Semana passada resolvi vestir meu uniforme de mãe - sim, porque desde que nasceu o Max ando tão sem tempo para escolher roupa que acabo vestindo jeans cigarette, camiseta (eu de camiseta?), sapatilhas ou botas, um abrigo, cachecol e só (minha triste experiência com brincos e colares, com filho pequeno, deixo para outro post) - e escolhi uma camiseta um pouco ousada, que adoro. 

Dito e feito. Foi chegar no restaurante e o Max não parava sentado, queria engatinhar por tudo, e mamãe aqui pra cima e pra baixo com o little man até que reparei no indivíduo da mesa ao lado secando meus...peitos. E o que você faz numa hora dessas? Situação incômoda viu, já que não tinha jeito de parar quieta no lugar. Sabe o que? Decidi mandar tudo pro inferno e pensei - quer olhar, que olhe! Pelo menos faz bem pro ego.

Então resolvi consultar com minhas amigas mamães aqui no blog para saber se vocês também já passaram por momentos delicados com mini saias de seda rodada em dia de vento e com filho no colo (yes, euzinha cometi este pecado meninas), ou blusa de alcinha que fica caindo, etc...

Existe uniforme de mãe? A gente muda a maneira de vestir? 

09 fevereiro 2011

Buenos Aires com Crianças


A Pulp lança mais um título dedicado às viagens com filhos: Buenos Aires com Crianças – aventurinhas na terra do dulce de leche.

Escrito pela jornalista carioca Fernanda Paraguassu, o livro é um guia imprescindível para conhecer cada cantinho de Buenos Aires com os filhos a tiracolo.


O livro tem formato pocket, para caber na bolsa de toda mãe precavida e é recomendado até mesmo para quem não tem filhos mas quer conhecer pontos interessantes da cidade.


Bate papo com a autora:


Como surgiu a ideia de escrever um livro?
A ideia do livro veio depois de quase dois anos morando em Buenos Aires e alimentando o blog Buenos Aires para Niños. Eu notava que muita gente ia atrás das dicas do blog e escrevia de volta dizendo que havia gostado. Outras blogueiras também colocavam notas no próprio blog depois de terem feito a viagem com as crianças e creditavam as informações ao Buenos Aires para Niños. Então percebi que as pessoas estavam realmente gostando do que eu sugeria e isso ia me incentivando a continuar buscando novas dicas e me deu segurança para organizar o livro. Claro que a força da família e de leitores do blog, que começaram a cobrar o livro, também influenciou a decisão. Comecei a buscar editoras que tivessem o perfil do meu material, até que encontrei a Pulp, uma editora de Curitiba, formada por um pessoal jovem muito bacana que logo se empolgou com a ideia.


Qual é o seu capítulo preferido do livro?
Tentei organizar um guia completo com informações úteis para quem está na cidade com crianças. A idéia foi manter um texto leve, que combinou bem com as ilustrações fantásticas da artista Eve Ferretti. Tem dicas de passeios ao ar livre, museus, livrarias, sorveterias, lugares para comer, brinquedotecas, escapadas e uma lista de lojas que merecem uma espiada. Lugares por onde passamos e gostamos.


Não tenho um capítulo preferido. Acho que me empolguei conhecendo a cidade aos poucos. No livro, também destaco o tipo de comida que é possível encontrar em Buenos Aires para os pequenos. Elaborei ainda uma lista de hotéis que visitei pessoalmente, já que não poderia ter me hospedado neles. Acho que saiu uma seleção de lugares bacanas em vários pontos da cidade. E dei uma pincelada em algumas curiosidades sobre a infância argentina, como personagens, livros e músicos que as crianças portenhas adoram.


Um fim de semana ideal da Fernanda em Buenos Aires e com filhos?
Um belo café da manhã na esquina, depois um passeio ao ar livre na praça, quando todos estão com muita energia. Uma parada para o almoço, uma visita ao museu ou teatro, seguida de um sorvete e um café. Depois uma esticada em uma livraria para explorar aventuras nas páginas dos livros e um jantar gostoso antes de cair na cama no fim do dia. No domingo, é legal comer uma parrilla em um restaurante família. No La Payuca, que fica a poucas quadras do shopping Alto Palermo, é possível comer um asado de tira enquanto as crianças se distraem na brinquedoteca.


E do que mais sente falta quando não está em Buenos Aires?
Sinto falta da paisagem, dos prédios com portas bonitas, das ruas cheias de árvores, e dos lanches no meio da tarde. Além de comidinhas gostosas, como sucos, medialunas, sorvete e café, é um momento que a gente para um pouco para respirar e conversar.


Também sinto falta de passear com as crianças na Plaza Alemania, em Palermo Botânico. É uma praça simpática, bem cuidada, com um parquinho que acabou de ser renovado, e uma área verde para gastar energia ao ar livre, um programinha com ar bucólico que não se tem mais em qualquer lugar.

08 fevereiro 2011

Thomas C. Chung

Thomas vive na Suécia... para seguir seu trabalho de perto visite a página do artista no Facebook.




....and his art (by colleague Amanda Humphries):

A friend from art school, and a wonderful playful artist with a dark side. Loving the shadows that are cast within, loving the fresh, fun, playful sculptures he crochets. Neally everything is personified, animated, imagined. Like a scene from childhood. The knitted paint tin toys say it all, and the world goes on backwards, forwards, inwards and outside, like a game, for adults.

06 fevereiro 2011

Os patucos da dona Lola

Já faz algum tempo que quero escrever sobre os lindos presentes que ganhamos nos últimos meses mas com a correria do final do ano acabei deixando pra depois e foi ficando, ficando... Esse fim de semana fiz algumas fotos e vou 'postar' aqui no blog pouquinho a pouquinho.


Começo com esses patucos que a mãe da Loli fez para o Max e para mim. Sou fãzoca dos patucos da dona Lola e ando com eles pra cima e pra baixo pela casa. Nosso little man ganhou dois pares, um azul clarinho e outro vermelho. Ele fica louco com o pom pom...

05 fevereiro 2011

Um ano atrás lembram?

Saudades desse barrigão viu. Das tardes em casa imaginando como seria minha vida de mãe e esperando ansiosa para ver a carinha do nosso little man

Link para a entrada original aqui.

Semana 34 - primeiro dia que falto ao trabalho

Sexta-feira, capítulo 34 do meu livro de gravidez favorito (by Kaz Cooke):

'É quase impossível encontrar uma posiçao confortável. Se me inclino para traz, tenho azia. Se me inclino para a frente, nao estou descansando, estou corcunda. Se me deito, nao consigo fazer nada. Se nao deito, a retençao de líquido alcança proporçoes épicas. Se caminho, eu acabo com uma enorme dor na virilha. Quando acordo, meu rosto está todo inchado. Ao final do dia, meus tornozelos estao inchados. Eu tento imaginar como será o pequeno aí dentro mas ultimamente tem sido difícil deixar de pensar no momento do parto e como é que eu vou conseguir terminar tudo que tenho pra fazer antes do dia D'.
Related Posts with Thumbnails